O CONHECIMENTO É UM INVESTIMENTO FUNDAMENTAL (Pichinin)


Breve reflexão quanto à qualidade de um livro publicado, de o conhecimento enquanto produto e da qualidade das instituições educativas

11-12-2013 15:07

A discussão quanto à qualidade de um livro publicado

 

Publicar um livro é um direito de todo cidadão. Porém, atualmente parece haver um temor quanto à qualidade das publicações (conteúdo e gramática). No entanto, precisamos lembrar que o atributo de qualidade de um conteúdo é subjetivo, ou seja, para uma pessoa o conteúdo pode ser significativo, enquanto pode não ser para outra. Quanto à gramática, por prevenção toda obra pode e/ou deve passar pelo crivo de um revisor. Portanto, se o conteúdo é subjetivo e a gramática pode ser revisada, acreditamos que tal receio seja efetivamente desnecessário e certamente provoca uma discussão dispensável.

Devemos sim focar nossos esforços, mas no sentido de motivar novos escritores, sobretudo novos leitores. Deste modo, estaremos efetivamente ajudando a desenvolver culturalmente nosso povo e, por conseguinte nosso próprio país. 

Precisamos buscar um estado de excelência, quão grandemente a dos países desenvolvidos. Lá, se escreve e se lê muito, muito, incomparavelmente muito mais do que aqui. 

E ainda, o que dizer da falta de incentivo a novos leitores, sobretudo novos escritores? Nosso país, nesse quesito, ainda é realmente uma criança que não aprendeu a andar.

Falta planos e projetos públicos de apoio a autores, e os poucos que já existem são extremamente excludentes. Isto é, acolhem apenas algumas categorias de autores, levam em conta apenas alguns pequenos grupos. Certo é que não existe uma categoria mais importante do que outra, o que existe na verdade são categorias diferentes e esse aglomerado de diferenças reunidas, formam a nossa rica Literatura Brasileira.

 

Reflexão sobre o conhecimento (produto) e as instituições educativas

 

O conhecimento é um produto e como tal pode e/ou deve ser comerciado, como quando uma pessoa frequenta um curso, ou lê um livro, o mesmo investe (mensalidade e/ou uma taxa) para adquirir o conhecimento (produto) oferecido. Ou ainda como acontece com um profissional, que realiza um trabalho em determinada especialidade, o mesmo é remunerado em compensação ao conhecimento (produto) que possui e coloca em prática.  

Assim as pessoas são beneficiadas e o conhecimento (produto) é difundido, em meio a cultura humana.

Quanto às instituições educativas, deve ter a capacidade de gerar no seu discípulo o desejo de continuar persistindo nos estudos. Ou seja, precisa ser capaz de estimular no alunado o gosto do aprender e querer estudar, e consequentemente prosseguir no seu caminho acadêmico.

Se o alunado faz o Ensino Básico, mas a grande maioria não se sente motivado a fazer o Ensino Superior, é porque alguma coisa realmente não vai indo bem! Não é mesmo? 

 

Dailton Sidnei Pichinin,

Autor de vários livros na área de Educação e Educação Física Escolar, vários cursos presenciais e na modalidade de Ensino à Distância, e diversos artigos locais, regionais e nacionais. Site e contato em: http://didaticacopep.webnode.com.br/    

—————

Voltar