O CONHECIMENTO É UM INVESTIMENTO FUNDAMENTAL (Pichinin)


EFETIVAÇÃO DA GESTÃO DEMOCRÁTICO-PARTICIPATIVA NAS INSTITUIÇÕES DE ENSINO

17-05-2011 15:08
 
Os estudos no campo da gestão educacional indicam que a gestão popular e democrática é a mais proveitosa e benéfica. Sendo assim, este estudo propõe esclarecer os caminhos possíveis para efetivação da gestão democrático-participativa nas instituições de ensino.
 
EMPRESAS
 
É preciso entender que as instituições educacionais (escola e universidade) se diferem das empresas comerciais, uma vez que não fabricam nem criam produtos mercadológicos. Uma empresa produzirá algum produto e/ou ofício ocupacional específico, por outro lado, às instituições educativas pretendem produzir e socializar conhecimentos, e o ser humano se apresenta como a essência no processo. Portanto, a avaliação visa objetivos de difícil mensuração e identificação, e os envolvidos (docentes e discentes) são atuantes na ação da obtenção do conhecimento.
Recomenda-se que a gestão que se pretenda democrática observe e atente aos “Indicadores de Qualidade na Educação” (Disponível em: www.mec.gov.br). Dirigir uma instituição educativa não significa aplicar os preceitos empresariais capitalistas, devido aos objetivos que são almejados.
 
PARTICULARIDADES EDUCACIONAIS
 
Os aspectos como à história de vida (individualidade) de cada pessoa trás enormes divergências, tornando o ensino e a aprendizagem um tanto complicada. Assim quem gere a instituição deve aceitar e respeitar as peculiaridades e intenções ideológicas da ação docente, buscando a coletividade.
Uma gestão que se pretenda e se pronuncie democrática terá como atribuição uma consideração recíproca com o próximo, responsabilidade igualitária e a edificação de um envolvimento dos diversos profissionais da instituição. Se configurando como um legítimo modo de se realizar o trabalho docente.
PROFISSIONAIS INDEPENDENTES
 
A gestão democrática se caracteriza no entendimento consciente quanto ao fato de que os docentes são profissionais independentes (autônomos), aptos a raciocinar e decidir sobre seus próprios afazeres. Tal fato, só faz crescer a carga de suas responsabilidades no tocante aos projetos pedagógicos desenvolvidos e decisões tomadas no seu dia-a-dia.
O caminho a se seguir precisa ser o democrático. Já que a atuação escolar se constitui em ações educativas que almejam a formação concreta de pessoas transformadoras e independentes.
 
A LEGALIDADE
 
É estabelecido por lei (Constituição Federal) que a gestão democrática pode ser determinada pela própria instituição de ensino, segundo suas peculiaridades. Porém, de acordo com a Lei de Diretrizes e Bases (LDB) devem ser considerados a contribuição participativa dos vários trabalhadores da educação na formação e organização do Projeto Pedagógico, juntamente com a participação de toda a comunidade através dos conselhos.
Uma gestão democrática só se concretizará com a participação dos vários segmentos da comunidade se envolvendo. Será preciso que todos (discentes, docentes, gestores e administrativos) compreendam e tenham atitudes de acordo com o ideário de valores democráticos.
Há que se pensar em compartilhar as responsabilidades das estratégias e decisões adotadas.
 
ESTRATÉGIAS PARA UM MAIOR ENVOLVIMENTO
 
A gestão democrática ainda está em construção nas instituições e organizar ocasiões para concretizar a participação de docentes e agentes na elaboração dos projetos que envolvem a instituição se torna importantíssimo para começar uma gestão democrática. Estabelecendo encontros freqüentes para que gestão e docentes discutam e definam sobre questões relevantes para a instituição, e também manter informada (pela internet, murais, etc.) toda a comunidade acadêmica. Isso possibilitará maior envolvimento em todas as ações.
Outras atuações fundamentais são os conselhos da escola e o grêmio que podem cooperar expressivamente nas decisões e práticas (pedagógicas, de finanças e de administração) educacionais. Em especial os recursos financeiros, já que se torna vital utilizá-lo racionalmente, considerando as reais necessidades do alunado.
A eleição da administração das instituições é outro ganho para ocasionar uma veracidade e autenticidade da gestão democrática.
 
MOMENTO ATUAL
 
Quanto mais o tempo passa mais importante se torna a inclusão de todos os membros da instituição. As instituições de ensino estão passando por circunstâncias das mais diversas e complexas hoje em dia, por influência social, do mercado trabalhista, de reformas curriculares e muitas outras, que seguramente só conseguirão ser superadas através de uma gestão verdadeiramente democrático-participativa.
 
CONCLUSÕES
 
Neste estudo concluímos que para se buscar a concretização de uma gestão democrático-participativa nas instituições de ensino será importante: Um olhar para os Indicadores de Qualidade na Educação; Respeitar a independência e/ou autonomia docente; Promover debate habitual e/ou assíduo através de encontros e/ou reuniões entre gestão e docentes; Ascensão da participação dos conselhos e grêmio escolar; E, também promover eleições no âmbito administrativo das instituições de ensino.
 
Dailton Sidnei Pichinin,
mestrando em Ciencias del Movimiento Humano pela Universidad Autónoma de Asunción, no Paraguai (PY).

—————

Voltar


Artigo

12-06-2012 12:13

ESTATÍSTICA SOCIAL NO SISTEMA EDUCACIONAL

O Brasil é um país extremamente heterogêneo socialmente (gênero, cor e raça). Tal fato corrobora para materializar as desigualdades e injustiças contemporâneas. Porém, estudos evidenciam que as diferenças sociais podem ser estimadas estatisticamente e seus dados considerados para análise das...

—————